Momentos especiais de minha Familia..Aleluia!!!

Bodas de Rubi - Deus é Fiel..Ele cuida dos seus!!!

É uma nova geração de adoradores.Deus seja louvado.

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Os Usbeques


Usbequistão: Entre a vida e a morte.

Água poluída, terras agonizantes, poluição ambiental, são problemas que se associam à fé islâmica ressurgente entre os usbeques da Ásia Central.


Ele é grande e está morto. É o Mar de Aral, na pátria dos usbeques, Ásia Central. O Usbequistão é uma república da antiga União Soviética tendo por isto sofrido prejuízos irreparáveis.Os planejadores da economia soviética escolheram o Usbequistão para ser o grandeprodutor de algodão da União Soviética. Isto teria sido ótimo, se existisse água para implementar esta política. Infelizmente houve necessidade de desviar as águas que corriam para o mar de Aral, o quarto maior mar interior do mundo, que passou para a sexta posição. As últimas espécies de peixes morreram em 1983, pelo uso de pesticidas. Em alguns lugares a linha de praia recuou mais de 60 quilômetros. E agora as águas não só estão mortas, como também causam a morte.Fortes ventos conduzem resíduos de pesticidas e sal diretamente do leito desértico do lago mPatriarcais e comunaisO lar dos usbeques centraliza-se na figura paterna. Normalmente formam clãs e os laços de família são muito importantes. Dois terços dos usbeques vivem em cidades de no máximo 2500 pessoas e isto facilita este padrão tradicional, que nem mesmo 70 anos de comunismo conseguiu quebrar.Gostam de música, poesia e de contar histórias. Durante a ocupação comunista mantiveram-se fiéis às tradições do uso de adornos muçulmanos, e agora estão novamente descobrindo a grande família muçulmana. Em 1990 a Jordânia enviou-lhes 60.000 exemplares do Alcorão, e a Arábia Saudita Um milhão.orto para o Usbequistão, que, por sua vez, vai se transformando inevitavelmente num deserto. Por isto, e também pela falta de água potável, os usbeques sofrem em grande proporção, de câncer de esôfago, problemas no fígado, doenças respiratórias e problemas nos olhos. Detêm também um dos mais altos índices de mortalidade infantil da Comunidade de Estados Independentes.
"Meu corpo padece de angústia e desejoOs meus cabelos ficaram vermelhosDo sangue das lágrimas.Meus lábios são doces como sorvete de frutas.Mas, sem encontrar o que busco, estou morrendo."Lamento de Nadira, poetisa do século 19, esposa de um Khan, depois da morte de seu marido.

Floresce o Islam


Apesar das difíceis condições econômicas e ambientais, os usbeques estão conseguindo crescer em duas áreas: possuem uma das mais altas taxas de natalidade da Ásia (a família média possui sete filhos); e estão voltando às suas raízes islâmicas, reatando os laços com os principais países muçulmanos. O governo comunista dificultou as práticas islâmicas e o estudo da língua árabe, que agora são novamente aceitos.Os usbeques eram o terceiro maior grupo étnico na antiga União Soviética e a maior minoria islâmica. Converteram-se ao Islã há séculos, como os uigures e outros grupos turcos, e consideram que o Islã faz parte de sua identidade individual e coletiva.


Patriarcais e comunais


O lar dos usbeques centraliza-se na figura paterna. Normalmente formam clãs e os laços de família são muito importantes. Dois terços dos usbeques vivem em cidades de no máximo 2500 pessoas e isto facilita este padrão tradicional, que nem mesmo 70 anos de comunismo conseguiu quebrar.Gostam de música, poesia e de contar histórias. Durante a ocupação comunista mantiveram-se fiéis às tradições do uso de adornos muçulmanos, e agora estão novamente descobrindo a grande família muçulmana. Em 1990 a Jordânia enviou-lhes 60.000 exemplares do Alcorão, e a Arábia Saudita Um milhão.


Cristianismo


Tendo enfrentado 12 séculos de Islamismo e séculos de opressão da Igreja Ortodoxa Russa, o Cristianismo de fato não teve muita chance.As melhores estimativas indicam a existência de uns 30 cristãos usbeques e em todo o mundo não há notícia de qualquer igreja cristã entre eles. O avanço do Cristianismo entre os usbeques só se conseguirá com missionários criativos e decididos. Será necessária muita oração por parte daqueles que os enviam até que se estabeleça uma ponte definitiva.Alguns usbeques já tiveram contato com o evangelho, mas sem qualquer reação. Um jovem aceitou Jesus em 1980, mas foi recolhido a um hospital psiquiátrico por estar dando seu testemunho.O Novo Testamento já está disponível, mas não é permitido distribuí-lo. A palavra usbeque significa senhor de si mesmo ou príncipe de si mesmo. Esta percepção juntamente com os fortes laços de família, dificulta a aproximação de estranhos a esta sociedade ao mesmo tempo orgulhosa e ameaçada.


ORE PELOS USBEQUES:


Para que os cristãos russos que vivem entre eles sejam despertados para alcançá-los;- Para que sejam salvos juntamente com suas famílias e vizinhos;- Para que os fabricantes de tendas e outros visitantes estrangeiros possam alcançá-los com com paciência, amizade e sabedoria.- Para que os usbeques do Afeganistão sejam salvos, bem como os que se encontram refugiados na China, Paquistão, Estados Unidos, Austrália e Alemanha.- Para que haja material impresso e programas de rádio produzidos pelos poucos usbeques cristãos.- Pelo surgimento de igrejas usbeques que possam crescer livres da perseguição.- Para que possam ver-se a si mesmos como Deus os vê: amados, e aceitos como filhos.



Dados Estatísticos


Alfabetização:
Alto índice, mas não em árabe.
Alimentação:
Melão, frutas, chá, pão, arroz, carne bovina e de ovelha.
Artes:
***
Estrutura Familiar:
***
Fonte de Renda:
***
Idioma:
***
Igreja:
***
População:
Superior a 16 milhões. No Usbequistão: 15 milhões (75% na República recém instalada são usbeques, dos quais 68% vivem no campo e 32% nas cidades) No Afeganistão/Paquistão: 1 milhão Na China, EUA, Austrália, Alemanha - Alguns milhares. Existem ainda usbe
Recreação:
Canções tradicionais, danças; poesia e humor; hospitalidade.
Religião:
Muçulmana Sunita
Saúde:
Doenças resultantes da má qualidade da água, da higiene deficiente e infecções intestinais.

Nenhum comentário:

MISSÕES/ Maria Therezinha